if (class_exists('CSSDropDownMenu')) { $myMenu = new CSSDropDownMenu(); /* Extra options here, like so: $myMenu->orientation="top"; */ $myMenu->show(); } ?>
splash
Bem Vindo

Ao portal de informações sobre Honestino Guimarães.
Idealizado por Luiz Carlos Monteiro Guimarães.
Responsáveis: Betty Almeida e Katia Aguiar.
Agradecimentos a: Maria Rosa Leite Monteiro (em memória)
Norton Monteiro Guimarães (em memória)
Sebastião Lopes Neto
Ivonette Santiago de Almeida
Salvador Coaracy
 

Símbolo rebatizado

Posted By admin on julho 2nd, 2015

Distritais aprovam projeto de lei que troca o nome da Ponte Costa e Silva para Honestino Guimarães. E, assim, apaga-se o último resquício de homenagem ao período da ditadura militar em Brasília. PL aguarda agora sanção do governador

» ROBERTA PINHEIRO
Publicação: 02/07/2015 04:00

image001 (1)

 

A Ponte Costa e Silva foi projetada por Oscar Niemeyer, em 1967, e inaugurada em fevereiro de 1976. Ela tem 400 metros. As obras só começaram em 1976, durante o governo de Elmo Serejo Farias
O último resquício dos anos de chumbo na capital brasileira deverá sair de cena após sanção do governador Rodrigo Rollemberg (PSB). A Ponte Costa e Silva, que liga a Asa Sul ao Lago Sul, era o único monumento, em Brasília, que ainda homenageava protagonistas da ditadura militar. Em três tentativas silenciosas, em 1999, 2003 e 2012, projetos de lei tentaram renomeá-lo. Mas não foram adiante. Ontem, a reivindicação antiga de alguns brasilienses teve fim. Apesar da imensa discussão, a Câmara Legislativa do DF aprovou, com 14 votos a favor, o Projeto de Lei nº 130, que rebatiza a ponte. Sai o presidente militar Costa e Silva e surge o líder estudantil Honestino Guimarães.

Durante 21 anos, o Brasil viveu sob o regime ditatorial. Ao longo de duas décadas de repressão de suspensão dos direitos individuais, os nomes dos homens que lideraram o período proliferaram em ruas, escolas, praças e monumentos por todo o território brasileiro. A partir do processo de redemocratização, iniciado em 1985, Brasília começou a rebatizar os lugares que lembravam os militares. A mudança de nomenclatura precisa ser sancionada pelo governador, que, segundo a Assessoria de Comunicação da Secretaria de Relações Institucionais, aguarda o recebimento da redação final do PL para se posicionar.

image002 (1)

 

Muitos, porém, já celebram a aprovação na Câmara. “É uma vitória política e ideológica. A ditadura foi um processo doloroso para o país. Trocar para Honestino é importante, pois ele foi fundamental para o processo de redemocratização”, analisa o cientista social Eduardo Pereira, 23 anos. Na avaliação do professor de história da Universidade de Brasília (UnB) e coordenador da Comissão Anísio Teixeira Memória e Verdades, José Otávio Nogueira Guimarães, a mudança será importante, sobretudo, para a democracia atual. “As pessoas que passarem por ali vão se perguntar quem foi Honestino, o que aconteceu com ele, e isso reforça a necessidade de pensar a democracia e de aperfeiçoar os direitos humanos.”

Para José Otávio, Costa e Silva foi aquele que assinou o AI5, cassou liberdades individuais e um dos presidentes que mais perseguiu a UnB. “A invasão da universidade em 1968 acelerou o processo de endurecimento do regime. E Honestino lutou contra isso. Então, há uma conexão entre os dois nomes.” O professor discorda daqueles que acreditam que a decisão apaga a história. “Vários monumentos públicos mudaram de nome, como em Berlim, após a queda do muro. Mas a história não pode ser apagada. Esses espaços são objetos de memória, e memória é diferente.”

image003

 

Discussão
Se a mudança de fato ocorrer, a ponte não será a única com o nome do líder estudantil, desaparecido em 1973. O Museu Nacional e o Diretório Central dos Estudantes da UnB também preservam a memória de Honestino Guimarães. O assunto vem sendo acompanhado pela família do estudante de geologia há alguns anos. Para eles, a decisão fortalece o processo de reparação coletiva.

O servidor público e sobrinho de Honestino Mateus Guimarães, 29, ressalta, no entanto, que a mudança não pode ficar só na nomenclatura. “É preciso que esse processo venha acompanhado de uma série de ações que possam visibilizar o tema, difundir os fatos históricos e provocar reflexões sobre liberdade e sobre a construção da democracia nos dias atuais. Certamente, o desconhecimento do passado é um dos principais fatores que têm levado grande parcela da sociedade a bradar pela volta da ditadura, inclusive achando que isso significa fortalecer a democracia”, avalia.

image004 (1)

 

Em 2012, o Coletivo Transverso usou cartolina para trocar o nome da ponte para “Bezerra da Silva”
Em julho de 2012, o monumento foi rebatizado pela primeira vez pelo Coletivo Transverso. Eles aplicaram uma cartolina sobre a placa, alterando o nome para Ponte Bezerra da Silva. “A mudança efetiva do nome representa um pequeno passo no caminho do reconhecimento do fracasso político e econômico que foi a ditadura civil-militar brasileira, e no sentido de respeitar a memória dos que foram mortos ou torturados naquela época”, Cauê Novaes, um dos criadores do Coletivo Transverso, cientista político e mestre em literatura pela UnB. Para ele, mais importante que mudar o nome da placa é suscitar a reflexão. “Como diz Renato Franco: ‘A memória social não pode jamais deixar de reconhecer as catástrofes políticas, os assassinatos coletivos, o massacre dos humilhados e ofendidos, a barbárie, a tortura sórdida contra vítimas indefesas: ela é o único instrumento para sabermos do que nossos antepassados foram capazes’”, completa.

Polêmica
O presidente do Clube dos Pioneiros, Roosevelt Dias Beltrão, 74 anos, não apoia a decisão dos deputados distritais. Para ele, os anos de governo militar tiveram um papel fundamental para a história do Brasil, e Costa e Silva foi um importante presidente para esse período histórico. “Fui amigo de Honestino, dos pais dele e trabalhei com a esposa dele, mas não sou a favor dessa mudança”, completa. O estudante de arquitetura Caio Fiuza, 23 anos, não é contra, mas não vê como algo necessário para Brasília. “É só uma questão de nomenclatura. Acredito que perdeu o sentido depois de um tempo. Perdeu o referencial histórico e caiu em desuso. Avalio que temos questões mais importantes a considerar”, diz.

A Ponte Costa e Silva integra um conjunto de monumentos rebatizados. Há alguns anos, o sobrenome do terceiro presidente na linha sucessória da ditadura, Emílio Médici, sumiu do Hospital Universitário de Brasília (HUB) e do Departamento de Educação Física, Esportes e Recreação do DF (Defer). A via que liga a Asa Sul ao Gilberto Salomão, hoje conhecida como Ponte das Garças, um dia também foi Ponte Presidente Médici, em homenagem ao ex-presidente, mantido no poder entre 1969 e 1974.

Quem foi Costa e Silva?

Arthur da Costa e Silva foi marechal do Exército e presidente do Brasil durante os primeiros anos do regime ditatorial. Ele foi um dos que assinou o Ato Institucional nº 1 para, arbitrariamente, institucionalizar o golpe militar. Além disso, em seu governo teve início a fase mais dura e brutal do regime. Ele, inclusive, foi subscritor do AI5, que retirou todos

Quem foi Honestino Guimarães?

Honestino Guimarães foi um dos principais líderes estudantis da Universidade de Brasília e um importante opositor do regime militar. Eleito vice-presidente da UNE em 1969, e presidente, em 1971, cumpria na clandestinidade as tarefas na instituição e militava na Ação Popular Marxista-Leninista. Acreditava que a transformação social brasileira só poderia ocorrer pela ação dos trabalhadores organizados. No entanto, nunca participou de ações armadas. Honestino foi preso e torturado quatro vezes. Desapareceu em 1974. os poderes do povo, fechando o Congresso Nacional.
Exemplo maranhense

» No dia em que o golpe militar brasileiro completou 51 anos, em 31 de março de 2015, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), determinou a mudança no nome de escolas estaduais que tinham a nomenclatura em homenagem a militares e responsáveis por crimes de tortura durante o regime ditatorial. A Secretaria de Educação do estado identificou 10 instituições em nove municípios. A escola estadual Marechal Castelo Branco, por exemplo, passou a ser Unidade Jackson Lago (ex-governador do Estado).

Similar Posts
Posted in categoria